Queremos ver Jesus-Dom Frei CaetanoFerrari, O F M


A “lei do grão de trigo” inspira o modo de agir de Deus - Jo 12,20-33

Gregos, tementes a Deus, chegaram a Jerusalém para adorar a Deus, na festa da Páscoa. Jesus dissera que chegara a hora do julgamento deste mundo quando o príncipe deste mundo será lançado fora. Ele dissera de forma categórica: “quando eu for elevado da terra, atrairei todos a mim, indicando de que morte deveria morrer, na cruz do Calvário”. Segundo a lei do grão de trigo, é preciso que a semente de trigo morra para não permanecer só. Há de morrer para produzir muito fruto. “Quem ama a sua vida a perde e quem odeia a sua vida neste mundo a guardará para a vida eterna. Se alguém quer me servir, siga-me e onde estou eu, aí também estará o meu servo”. Havia alguns gregos entre os que tinham subido a Jerusalém para a festa pascal. Estes se aproximaram de Filipe, que era de Betsaida da Galileia, e lhe pediram: “Senhor, queremos ver Jesus”. Filipe fala a respeito com André. Os dois o dizem a Jesus. O Evangelho propõe Jesus como quem cumpre a promessa: É chegada a hora da glorificação de Cristo pelo Pai e do Pai por Cristo, mediante a agonia de Jesus. João descreve o Getsêmani, dizendo: “Minha alma está agora conturbada. Que direi? Pai, salva-me desta hora? Foi precisamente para esta hora que eu vim. Pai, glorifica o teu nome”. Ouviu-se uma voz do céu: “Eu o glorifiquei e o glorificarei novamente”. A multidão ali reunida dizia ter ouvido como que um trovão. Outros diziam: Um anjo lhe falou. Jesus respondeu: “Esta voz não foi para mim, mas para vós”. Para João a paixão é a glorificação do Pai e do Filho.

Cristo foi atendido em suas súplicas pela obediência a Deus por aquilo que sofreu - Hb 5,7-9

Este trecho de Hebreus revela o mistério do sacerdócio de Cristo, com base na proclamação que esta Carta faz de Jesus Cristo como Filho de Deus e sacerdote para sempre segundo a ordem de Melquisedec. Jesus realiza o seu sacerdócio como homem, orando por si e obtendo força pela obediência no sofrimento. “Cristo, nos dias de sua vida terrestre, apresentou pedidos e súplicas, com veemente clamor e lágrimas, àquele que o podia salvar da morte; e foi atendido por causa da sua submissão a Deus. Mesmo sendo Filho, aprendeu, contudo, a obediência pelo sofrimento. Levado à consumação de sua vida, se tornou causa de salvação eterna para todos os que lhe obedecem”.

Eu sou vosso Deus e vós sois meu povo - Jr 31,31-34

A presente leitura de Jeremias é tirada do livro das “Consolações de Israel”. O objetivo é incutir aos exilados a esperança do retorno à pátria. Para selar a volta há de se celebrar com a casa de Israel e a casa de Judá uma nova aliança estabelecida no íntimo do coração de todas as pessoas. Diz o Senhor: “Porei a minha lei nos seus corações e a imprimirei nas suas mentes. Então eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo”. Jesus Cristo foi anunciado como sacerdote dos bens futuros. “Todos me reconhecerão, diz o Senhor, pois perdoarei sua maldade e não mais lembrarei o seu pecado”. Em nome de Jesus Cristo se realizou o conteúdo dessa nova aliança.


Dom Frei Caetano Ferrari, O F M