Domingo da Páscoa na Ressurreição do Senhor-Dom Frei CaetanoFerrari, O F M




Passou fazendo o bem e curando a todos - At 10,34.37-43

O dia de hoje é o domingo de Páscoa da Ressurreição do Senhor. Nesta página dos Atos dos Apóstolos, segundo conta Lucas, tomamos conhecimento da pregação feita pelo Apóstolo Pedro. O conteúdo dessa pregação é um resumo da pregação dos Apóstolos, o Querigma, o anúncio sobre a morte e ressurreição de Cristo. A frase central é “Deus o ressuscitou”. Pedro fala de tudo que Jesus fez e ensinou “desde o batismo de João até o dia em que foi arrebatado ao céu”. Bem como também revela quem é Jesus. Obviamente, sendo essa a pregação que faziam os apóstolos, este testemunho deles sobre Jesus, resumido por Pedro, é evangelho puro, isto é, anúncio da salvação operada por Jesus Cristo. Em seu discurso Pedro lembra que Jesus começou a sua atividade apostólica “com o Batismo de João Batista e cessou com a sua crucifixão e foi até depois da sua ressurreição”. Jesus de Nazaré foi ungido pelo Espírito Santo e passou fazendo o bem e curando a todos. No entanto, foi perseguido e morto pelas autoridades. Mas, o Pai ressuscitou o Filho e permitiu-lhe manifestar-se. O próprio Deus confirmou as aparições de Jesus ressuscitado “não a todo o povo, mas às testemunhas que Deus havia escolhido de antemão, diz Pedro, a nós que comemos e bebemos com ele após a sua ressurreição. Deus nos ordenou que anunciássemos ao povo o senhorio universal de Jesus, que Jesus vive e que Deus o estabeleceu juiz de vivos e mortos, conforme foi decidido por Deus mesmo. Quem crê em Jesus se salva e recebe pelo seu santo nome o perdão dos pecados. Jesus ressuscitado, inclusive, está presente na comunidade cristã. A Páscoa é a maior festa cristã e o maior dos milagres. Não se explica com palavras humanas. Simplesmente, se crê. A Páscoa de Cristo é também a Páscoa dos cristãos, é a nossa Páscoa.

Pedro e o Discípulo Amado correm ao sepulcro - Jo 20,1-9

Eis o que João conta nesta passagem evangélica. No primeiro dia da semana, Maria Madalena foi de madrugada ao túmulo de Jesus. O túmulo estava vazio. Assustada, ela foi correndo contar a Simão Pedro e ao outro discípulo, aquele que Jesus amava. Tiraram o Senhor do túmulo, disse ela. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo. Este discípulo era mais jovem e chegou primeiro ao túmulo. Olhando para dentro do sepulcro, viu as faixas de linho no chão, mas não entrou. Pedro chegou em seguida e entrou no túmulo. Viu as faixas de linho no chão e o pano que tinha estado sobre a cabeça de Jesus, não posto com as faixas, mas enrolado num lugar à parte. O outro discípulo entrou também. Ele viu e acreditou. João concluiu e escreveu que eles ainda não tinham entendido a Escritura que dizia que ele devia ressuscitar dos mortos. Duas realidades dão testemunho da ressurreição: o sepulcro vazio e as aparições do ressuscitado. O sepulcro vazio é um sinal negativo só compreensível para quem ama, isto é, para quem tem o coração junto ao Senhor, o discípulo amigo. Este compreendeu pela iluminação da fé, viu além das aparências. Ele amava Jesus, por isso a sua intuição foi fruto do amor, antes de ser uma compreensão racional da Escritura. Pedro, no entanto, ainda não conseguia ver além do que tinha diante dos olhos.

19 visualizações

 

BISPADO DE BAURU - Cúria Diocesana

 R. Fernando Costa, 3-30 - Vila Nova Santa Clara, Bauru - SP, 17014-130

Fone: (14) 3879-8706​

bispadobauru@bispadobauru.org.br 

curia@bispadobauru.org.br

© 2020 Diocese de Bauru. - Orgulhosamente criado com Wix.com