Crer em Jesus para ser salvo por Ele- Conversando com o Bispo de 12 de março de 2021.

Domingo da Alegria - Is 66,10: A Antífona da entrada da santa Missa de hoje, tirada de Isaias, nos convida a cantar: “Alegrai-vos, Jerusalém. Exultai de alegria, vós todos que estais tristes!” Da penitência quaresmal à alegria pascal, à festa da salvação.



Deus enviou o seu Filho ao mundo para que seja salvo por Ele - Jo 3,14-21

O trecho evangélico da santa Missa é a conclusão da conversa de Jesus com Nicodemos, o fariseu, magistrado e membro do Sinédrio que admirava a Jesus e com Ele dialogava à noite, às escondidas, para não ser visto pelos outros. No presente diálogo, Jesus corrige a interpretação da lei de Moisés pela qual os fariseus atribuíam à sua classe duas importantes funções: “ser fonte de vida” e “norma de conduta para os outros”. Jesus reivindica para si estes direitos e deveres. O núcleo da fé que dá a vida e a sustenta é: “a paixão de Cristo simbolizada aqui pela serpente de bronze e o amor de Deus que, em seu Filho, quer a nossa salvação”. Conforme se lê, Jesus afirma que a vida doada aos humanos é definitiva: “Pois Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho único, para que o que nele crer não morra, mas tenha a vida eterna”. Diz ainda que a sua morte não será sinal de destruição, mas de elevação à condição divina: “Do mesmo modo como Moisés levantou a serpente no deserto, assim é necessário que o Filho do Homem seja levantado”. Jesus faz referência à serpente de bronze que Moisés levantou numa haste, a fim de que os israelitas, olhando para este fetiche, fossem libertados da praga das serpentes (Nm 21,4-9). Assim também deve ser elevado na madeira da cruz e à glória da ressurreição o Filho do Homem, Jesus, para que quem o contemplar com os olhos da fé seja salvo (Jo 3,14). Deus enviou o seu Filho para que o mundo tenha a vida eterna. É vida divina, que não começa depois da morte, mas aqui e agora, se acolhemos na fé, o dom de Deus: Jesus Cristo. Quem crê em Jesus vive a vida de Deus mesmo. Quem não crê, porém, já é condenado, não por Jesus, pois este veio para salvar, mas por si mesmo, porque não aceitou o dom de Deus (3,17). João em 3,16-21 expõe temas centrais da teologia do seu Evangelho: a vida, morte e ressurreição de Cristo, como dom do Pai.

É pela graça que sois salvos, mediante a fé - Ef 2,4-10

Crer em Cristo é ser iluminado pela fé em Deus, o Pai, o Filho e o Espírito Santo, a qual dá sentido à vida e à história, revelando-nos o conhecimento de Deus, a sua santa vontade e o seu plano de salvação para a humanidade que vai se realizando no tempo. Não é mérito nosso, não vem das nossas obras, para que ninguém se orgulhe. É dom e graça de Deus. Assim se lê: “Pela graça fostes salvos, mediante a fé”. “Ora, pela bondade, que nos demonstrou em Jesus Cristo, Deus quis mostrar, através dos séculos futuros, a incomparável riqueza da sua graça”. Portanto, quem nos salva é Deus. As boas obras que fazemos expressam a nossa fé em Deus, são frutos da fé. “Pois é Ele quem nos fez; nós fomos criados em Jesus Cristo para produzir obras boas, que Deus preparou de antemão para que nós as praticássemos”. Paulo diz que “Deus é rico de misericórdia. Por causa do grande amor com que nos amou, quando estávamos mortos por causa das nossas faltas, ele nos deu a vida com Cristo”. Que possamos corresponder ao amor de Deus por nós pela operosidade de nossas boas obras que geram alegria. A alegria cristã tem a sua raiz exatamente na nossa fé que leva ao amor e à prática do bem. É tempo de renovarmos a nossa fé em Jesus para que Ele renove em nós a salvação. Uma santa Quaresma.


26 visualizações