Cinquenta dias de Páscoa-Dom Frei Caetano Ferrari, O F M





Jesus veio e disse: “A paz esteja convosco” - Jo 20,19-31

Os domingos que sucedem o Domingo da Ressurreição são chamados Domingos da Páscoa e não Domingos depois da Páscoa. Para expressar melhor que a Páscoa da Ressurreição é a festa cristã que se celebra durante cinquenta dias como se fosse um dia só. Ou seja, é como se fossem cinquenta dias de aleluia, um só dia de Páscoa. A Palavra de Deus durante esse tempo põe em destaque as aparições de Jesus ressuscitado no meio da comunidade de fé. Uma presença misteriosa na demonstração da vitória sobre a morte, do serviço e da caridade aos irmãos e irmãs. Neste 2º Domingo, hoje, é proclamado o evangelho da aparição de Jesus aos discípulos, estando Tomé ausente, e, depois de oito dias, com Tomé presente (Cf 20,19-31). Essa aparição de Jesus se transforma em alegria, paz e bem para toda a comunidade dos irmãos. Na tarde daquele primeiro dia da semana, os discípulos estavam isolados num lugar fechado, por medo dos judeus. De repente, Jesus veio e pôs-se entre eles e disse: “A paz esteja convosco!” Jesus mostrou-lhes as mãos e o lado transpassados. E repetiu a saudação, acrescentando: “Como o Pai me enviou, também eu vos envio.” Podemos imaginar como os Apóstolos devem ter se alegrado ao verem o Senhor. Adquiriram uma pré-disposição para receberem o Espírito Santo. Pois, Jesus soprou sobre eles e disse: “Recebei o Espírito Santo.” A fim de serem enviados ao mundo não de mãos vazias, mas revestidos com o poder do Espírito Santo para perdoar os pecados e anunciar o Evangelho. O testemunho dos Doze dá a força para o acolhimento na fé em Jesus ressuscitado por parte daqueles que forem evangelizados. Tomé reage com incredulidade. Pede como prova poder tocar com suas mãos nas chagas de Jesus. Mas Jesus elogia os que sem terem visto e inclusive não o tendo tocado, simplesmente acreditaram na pregação dos Apóstolos e no testemunho deles de que Jesus está vivo e age na Igreja, pelo poder do Espírito Santo. O anúncio da Ressurreição convence e é eficaz não por obra humana, mas por ação do Espírito Santo. Só o Espírito é que muda os corações. De tal modo que Tomé na segunda aparição de Jesus responde-lhe: “Meu Senhor e meu Deus!” E Jesus lhe diz: “Porque viste, creste. Felizes os que não viram e creram!”

Tinham um só coração e uma só alma - At 4,32-35

Este resumo dos Atos aborda o tema da comunhão dos bens. A multidão dos que haviam abraçado a fé viviam uma comunhão (do grego koinonia) perfeita. Era um só coração e uma só alma. Tudo era posto em comum entre eles pelo milagre da partilha. Viviam de tal modo unidos que não havia indigente entre eles. Os que possuíam terras e casas, vendiam-nas, traziam o dinheiro e o colocavam aos pés dos apóstolos, e distribuía-se a cada um segundo a sua necessidade. Assim a fé e a esperança se tornavam íntegras, firmes e visíveis na vivência da compaixão e do amor, e a misericórdia ajudava a fortalecer e a aperfeiçoar a fé e a esperança. Cumprindo o seu ministério essencial, os Apóstolos são testemunhas fidedignas da Ressurreição do Senhor Jesus.

Oração: Celebrando mais uma vez a Páscoa, ó Deus, concedei-nos reconhecer com a graça do Espírito o Senhor presente na assembleia dos irmãos, para darmos testemunho da sua Ressurreição.

38 visualizações