CAMINHAR À LUZ DA PALAVRA DE DEUS -Dom Frei Caetano Ferrari, O F M



SETEMBRO, MÊS DA BÍBLIA: Mês especialmente dedicado a promover a leitura e meditação da Bíblia com vistas a auxiliar-nos a aprofundar o conhecimento e o amor dos Livros Sagrados. Sabemos que a Bíblia é a Palavra de Deus escrita por autores humanos que inspirados pelo Espírito Santo redigiram fielmente sem erro a verdade de Deus, tendo, portanto, Deus por autor (cf. Dei Verbum, 11). O Papa Bento XVI escreveu: “Na Igreja, veneramos extremamente as Sagradas Escrituras, apesar da fé cristã não ser uma ‘religião do livro’: o cristianismo é a ‘religião da Palavra de Deus’, não de ‘uma palavra escrita e muda, mas do Verbo encarnado e vivo’” (Verbum Domini, 7). A Bíblia, como Palavra de Deus, é para nós, verdadeiramente, “Palavra da Salvação”, porque é luz que ilumina nossos passos neste mundo rumo ao céu. Sören Kierkegaard (1813-1855, filósofo) escreveu que “A Bíblia é a carta do amor de Deus dirigida a nós”.

“Ele faz tudo bem: surdos ouvem, mudos falam” - Mc 7,31-37.

São Marcos conta o milagre do surdo e mudo. Trouxeram a Jesus um surdo-mudo. Jesus, com o homem, afastou-se do meio da multidão. Colocou os dedos nos seus ouvidos, cuspiu e com a saliva tocou a sua língua. E, olhando para o céu, disse: “Efatá”, abre-te. Imediatamente seus ouvidos se abriram e sua língua se soltou e começou a falar sem dificuldade. Impressionadas, as pessoas diziam: “Ele tem feito bem todas as coisas: faz ouvir os surdos e falar os mudos”. Assim o poder criador e salvador de Deus se manifestou em Jesus. A integridade física e mental do ser humano exige saber falar e ouvir. Saber ouvir para compreender a Palavra de Deus, o mistério de Deus em Jesus. Saber falar para responder e proclamar a fé em Deus e Jesus. Ninguém chegará a uma fé operante, que se prova pelo concreto das boas obras, se não for capaz de ouvir o chamado de Deus e de a ele responder positivamente. Os milagres de Jesus restauravam a integridade física das pessoas defeituosas e doentes, a fim de que pudessem adquirir as condições necessárias para receber o dom da fé e para pôr-se na escuta da revelação, na contemplação do mistério de Cristo e no comprometimento com a evangelização, a prática da caridade e o serviço da justiça e da paz.

Não escolheu Deus os pobres para serem herdeiros do Reino? - Tg 2,1-5.

Inspirados em São Tiago, nesta página de sua Carta, vemos que Deus não faz acepção de pessoas, não tem favoritos, nem despreza os pobres. Aos seus destinatários São Tiago interroga: “Atentai para isto, meus amados irmãos: não escolheu Deus os pobres em bens deste mundo para serem ricos na fé e herdeiros do Reino que prometeu aos que o amam?” Deus fez a sua opção preferencial pelos pobres, a fim de ensinar a cada um de nós que não façamos distinções em nosso coração. Eis a lição que esta Palavra de Deus, lida em São Tiago, nos ensina hoje.

“Coragem, não tenhais medo! Eis o vosso Deus” - Is 35, 4-7.

Na profecia do Reino de Deus, Isaías anuncia os eventos futuros dos tempos messiânicos. Por meio de Jesus Messias, o verdadeiro realizador da salvação, Deus devolverá recuperada a integridade física e a saúde dos doentes, a renovação da natureza e a restauração integral do povo de Israel. Os sinais da salvação são estes: os cegos verão, os surdos ouvirão, os aleijados andarão, os mudos falarão, e a própria terra transformar-se-á novamente em paraíso e jardim, imagens da renovação de Israel. O profeta reanima os desesperançados e fortalece os fracos, anunciando que Deus mesmo, vem, em pessoa, para estabelecer a justiça na terra, através da qual dará a cada um a recompensa, salvando seu povo, e a vingança, castigando os inimigos.

6 visualizações