ABENÇOAR E NÃO AMALDIÇOAR - Conversando com o Bispo de 6 de dezembro de 2020.


O Papa Francisco, na última audiência geral, falou-nos sobre o saudável costume de sempre bendizer e evitar o maldizer. Podemos trocar a palavra bendizer por agradecer, e a palavra maldizer por reclamar.

É preciso que acostumemos o nosso coração a agradecer. Porém, para se obter um coração agradecido é preciso treinar e reeducar o olhar da alma. Gratidão se aprende. Creio que, atualmente, o sentimento de gratidão está em baixa e o de reclamação está em alta.

Em geral, vejo que as pessoas estão mais propensas a reclamar de tudo do que agradecer por tudo. A falta de gratidão é uma ofensa a Deus, pois aquele que reclama constantemente está acusando a Deus de ter-lhe dado pouco e que, portanto, Deus estaria lhe “devendo” algo.

É triste o coração de uma pessoa sem gratidão, ela carrega um vazio impreenchível e uma decepção perpétua diante da vida. A pessoa ingrata padece de uma forma de miopia espiritual, pois ela não consegue enxergar o bem que recebeu ao longo da existência e, pelo contrário, superdimensiona e enfatiza o que lhe falta. São mal-humorados crônicos.

O orgulho cega a alma e não a deixa enxergar as generosas graças derramadas por Deus em sua vida. A falta de gratidão é uma forma de ateísmo, pois o ingrato não reconhece o agir de Deus na história humana em geral e na sua história pessoal em particular. Para o ingrato Deus não existe e, caso exista, Ele consiste em uma vaga e nebulosa ideia de um ser supremo frio e distante ou uma impessoal energia cósmica. Deus é real e criou toda a realidade e no-la entregou para que cuidemos dela. Somos os cuidadores e vigias da obra de Deus.

Um dos sinais de uma alma agradecida é a alegria do coração. Apesar dos problemas e dificuldades da vida, o coração onde a gratidão é cultivada, constata que, de fato, tem muito mais motivos para agradecer do que para reclamar. Santa Teresinha dizia que “tudo é graça”, portanto, aquele que tem fé profunda no amor de Deus, sabe que todos os acontecimentos, sejam agradáveis ou difíceis, trazem em seu bojo a graça divina. Quem tem fé consegue enxergar em tudo algum traço do misterioso amor de Deus.

Não creio ser possível que uma pessoa, dita cristã, possa se aproximar de Deus sempre para pedir ou reclamar e nunca para agradecer. Nossa primeira atitude diante de Deus deve ser sempre de agradecimento e adoração e, em seguida, colocar nossas necessidades e pedidos. Como Deus conhece nossos pedidos antes mesmo que o peçamos e nos atende muito além do que desejamos e necessitamos, é justo agradecer muito e pedir pouco.

Faça uma lista das coisas boas, do passado e do presente, pequenas e grandes, que constituíram a sua vida. Quanto às coisas ruins, despreze-as, diluindo-as nas inúmeras coisas boas que Deus misericordiosamente faz na sua vida.

Neste Natal, vamos reordenar o nosso coração excluindo o mau humor e o pessimismo e adorná-lo com os luminosos sentimentos de gratidão a Deus, gratidão à vida e gratidão às pessoas que passaram por nossa existência e por aquelas que hoje, boas ou menos boas, Deus coloca no nosso caminho. Seja feliz.



Dom Rubens Sevilha, OCD.

83 visualizações

 

BISPADO DE BAURU - Cúria Diocesana

 R. Fernando Costa, 3-30 - Vila Nova Santa Clara, Bauru - SP, 17014-130

Fone: (14) 3879-8706​

bispadobauru@bispadobauru.org.br 

curia@bispadobauru.org.br

© 2020 Diocese de Bauru. - Orgulhosamente criado com Wix.com